Cirurgia Minimamente Invasiva – Uma filosofia e não uma técnica. - Dr. Guilherme Meyer

Cirurgia Minimamente Invasiva – Uma filosofia e não uma técnica.

capa2

A medicina é uma ciência em constante evolução mas seu princípio primeiro permanece absoluto desde os tempos de Hipócrates: Primum Non Nocere. Ou seja, em primeiro lugar não faça mal, não cause um dano.

A Cirurgia Minimamente Invasiva (CMI) busca obter resultados tão bons ou melhores que os já obtidos através das técnicas cirúrgicas tradicionais, mas com uma agressão muito menor ao paciente, com menor dano aos tecidos saudáveis do nosso corpo.

O uso do endoscópio para remover uma hérnia de disco através de uma incisão de 7mm, sem nenhuma ressecção óssea ou ligamentar e com mínimo dano ao tecido muscular constitui o grande destaque entra as modalidades de CMI. No entanto, vale comentar que esta técnica não pode ser aplicada a todas as doenças e nem mesmo a todas as hérnias de nossa coluna. Cada caso merece uma avaliação individualizada.

Ainda assim a CMI constitui uma filosofia e não uma técnica específica. Os princípios que norteiam a CMI são:

1 – Preservação do tecido saudável

2 – Tratamento direcionado ao alvo dos sintomas

3 – Uso inteligente da tecnologia

4 – Incisões menores e mais cosméticas

Durante minha formação sempre tive interesse em cirurgia endoscópica e em decorrência disto fui parar em Seul, Coreia do Sul, no hospital Wooridul. Este hospital, especializado em doenças da coluna, é referencia mundial na cirurgia endoscópica e na CMI e tem em seu corpo clínico as maiores sumidades no assunto. Fiz um estágio de um ano em que aprendi muito sobre diversas técnicas de CMI. Hoje vejo que saí do Brasil em busca de uma única técnica e, no entanto, achei uma filosofia para o tratamento das doenças da coluna.

A medicina, e principalmente a cirurgia de coluna, tem evoluído muito no Brasil e acredito que podemos oferecer o que existe de melhor para o tratamento de nossos pacientes.

post2_01