Dor no glúteo pode ser um sintoma da Síndrome do Piriforme - Dr. Guilherme Meyer

Dor no glúteo pode ser um sintoma da Síndrome do Piriforme

dor-gluteo

Passar muito tempo sentado, realizar exercícios excessivos para os glúteos e sofrer traumas nos glúteos são alguns dos fatores de risco; saiba mais

A síndrome do piriforme é uma condição na qual o músculo piriforme, localizado na região glútea, sofre espasmos e provoca dores nas nádegas. Em alguns casos, o músculo piriforme também pode irritar o nervo ciático, que fica próximo a ele, gerando dores, dormência e formigamento ao longo da parte posterior da perna (semelhante à dor ciática).

Para entender melhor, o piriforme é um pequeno músculo localizado na região profunda dos glúteos, que tem início na parte inferior da coluna e se conecta à superfície superior de cada fêmur. Sua principal função é ajudar na rotação do quadril e no giro da perna e do pé.

As causas exatas da síndrome do piriforme são desconhecidas, no entanto, existem algumas suspeitas, que incluem:

  • Espasmo muscular devido a uma irritação no próprio músculo piriforme, ou a uma estrutura próxima, como a articulação sacroilíaca ou o quadril;
  • Inchaço ou compressão do músculo em razão de uma lesão ou espasmo;
  • Sangramento na área do músculo;
  • A combinação dos problemas citados.

Passar muito tempo sentado, realizar exercícios excessivos para os glúteos, sofrer traumas na região dos glúteos e praticar esportes que exigem muito dos músculos (ciclismo, atletismo, etc.) são alguns dos fatores que podem levar ao surgimento da síndrome do piriforme.

Além disso, em quase todas as pessoas, o músculo piriforme está acima do nervo ciático, no entanto, em uma pequena parcela, o segundo acaba percorrendo o primeiro, elevando a predisposição para o desenvolvimento da síndrome.

Conheça os sintomas

  • Dores intensas na nádega
  • Dor na parte de trás da coxa, panturrilha e pé (semelhante à dor ciática)
  • Dor ao subir escadas ou inclinações
  • Aumento da dor após ficar muito tempo sentado
  • Movimentos reduzidos do quadril

Diagnóstico

O diagnóstico é baseado na avaliação do histórico médico do paciente e exames físicos e, possivelmente, após a análise de testes de imagem. De um modo geral, o diagnóstico dessa condição é feito por meio de um processo de exclusão de outras possíveis condições que podem estar causando os sintomas, como uma hérnia de disco lombar ou disfunção da articulação sacroilíaca.

Tratamento

Quase toda abordagem de tratamento para a síndrome do piriforme incluirá alongamentos cuidadosos e progressivos do músculo piriforme, além de sessões de fisioterapia, administração de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios, infiltrações e compressas de gelo. O tempo de recuperação irá depender de alguns fatores, entre eles o grau da lesão.