Hérnia de Disco Lombar


Introdução

Os discos da coluna, chamados de discos intervertebrais, são estruturas finas e achatadas que servem de “amortecedores” entre cada vértebra. Cada disco é feito de uma parte interna gelatinosa e macia cercada por um revestimento externo fibroso e mais resistente. Esta estrutura permite ao disco ser firme o bastante para manter o espaço entre as vértebras, mas macio o bastante para ser comprimido e permitir movimento entre os corpos vertebrais e, dessa forma, tornar a coluna vertebral uma estrutura flexível.
Em algumas pessoas, principalmente adultos de meia-idade, o revestimento externo e duro de um disco desenvolve uma área de fraqueza ou uma pequena fissura. Quando isto acontece, parte do interior do disco pode ser empurrada para fora de sua posição normal, produzindo uma condição chamada hérnia de disco. Se a hérnia de disco comprimir os nervos que passam no interior do canal vertebral teremos uma variedade de sintomas, incluindo dor, diminuição da sensibilidade e fraqueza muscular. A dor típica é chamada de ciatalgia (dor relacionada ao nervo ciático) e geralmente percorre a região posterior da coxa, perna e se extende até o pé.
Nos casos mais graves, quando uma hérnia tem um grande volume, ela pode comprimir os nervos que controlam os esfíncters, causando a falha dos mesmos. Isso leva a um quadro de incontinência urinária (falta de controle da urina) e fecal (perda do controle das fezes). A essa síndrome damos o nome de Sindrome da Cauda Equína.

Os fatores relacionados as hérnias discais são:

- Fatores genéticos - Estudos recentes tem mostrado que os fatores genéticos são os maiores responsáveis na gênese da hérnia discal. A carga genética é um forte determinante do envelhecimento do disco. Encontramos jovens que já apresentam degeneração discal e em contra partida também encontramos pessoas de mais idade com discos preservados.

- Fatores de risco individuais – Uma pessoa pode ter um risco aumentado de ter uma hérnia de disco se trabalhar em uma função ou praticar um esporte que envolva o levantamento de peso ou suporte de carga excessiva.
O tratamento conservador, ou seja, não cirurgico geralmante dá bons resultados. Consiste de medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios e fisioterapia. Outra opção são as infiltrações com corticóides. Entretanto, muitos pacientes necessitam de procedimentos cirúrgicos para retirada da hérnia e consequentemente descompressão do nervo que esta sendo comprimido.

Um Ortopedista especialista em Coluna poderá ajuda-lo a fazer um diagnóstico correto e propor um tratamento adequado.